lobo888 -Para evitar o risco de despejo forçado, a semana foi de negociações da ocupação Tiradentes 2 e do Mo

Acampamentos são mlobo888 -ontados por organizações no Paraná

Para evitar o risco de despejo forçado,ãomontadospororganizaçõesnoParanálobo888 - a semana foi de negociações da ocupação Tiradentes 2 e do Movimento Popular por Moradia (MPM) com a presidência da Câmara de Curitiba, também com a Comissão de Direitos Humanos, além de diálogo com diferentes parlamentares, no qual os ocupantes exigem mesa de negociação com a empresa Essências/Solvì, responsável pelo aterro sanitário na Cidade Industrial de Curitiba (CIC).

Continua após publicidade

Já no fim de semana, o Movimento Popular por Moradia (MPM) convocou organizações sociais para uma brigada de solidariedade com a ocupação, montando um acampamento permanente de brigadistas no local.

:: Ocupação Tiradentes 2: uma última fronteira entre a vida, o lixo e o lucro ::

Diante da possibilidade de cumprimento da ação de reintegração de posse exigida pela Essencis, no sábado (25), militantes do MPM, da organização Povo pelo Povo, entre outras, montaram barracas no espaço construído pela comunidade. A ideia é alertar a sociedade para o risco que vivem as famílias e apoiá-las. Se preciso, resistir: "Estamos esperando que não venham, mas estamos preparados pra resistir", afirma uma das lideranças locais, durante roda de conversa.

O acampamento cumpre também, como a própria ocupação, o papel de denúncia de possíveis irregularidades ambientais:

"Estamos montando nosso acampamento de resistência, uma brigada de resistência, contra o despejo da Tiradentes 2, que está sendo encaminhado pela Essencis, lixão que atua de forma totalmente irregular, descumprindo as normas mais básicas do meio-ambiente, ainda assim tentando expandir seus territórios, aumentando seu depósito de lixo, tentando tirar esse povo trabalhador, povo unido numa comunidade há dois anos, cuidando do meio-ambiente, tentando revitalizar nascente que faz fronteira com o lixão", afirma em vídeo o militante Ricardo, do MPM.

:: Ocupação Tiradentes 2 conquista canais de negociação com o poder público de Curitiba ::


As demandas dos manifestantes passam por espaços de negociação com a empresa Essencis, evitando o risco imediato de despejo e atuação da Polícia Militar / Augusto MPM

No domingo, dia 26, houve movimentações na cozinha comunitária. Ao redor do fogão a lenha, doações de diferentes movimentos populares chegavam ao longo da tarde.

Um dos apoiadores que visitou a comunidade foi o padre Redentorista Joaquim Parron, idealizador da exitosa campanha “SOS Vila Torres”. “Famílias que precisam dessa moradia, com um lixão chegando aqui do lado, convocamos as pessoas para essa luta para que a Tiradentes 2 fique”, afirma a liderança religiosa.


Entidades sociais e ambientais questionam a própria razão de ser do aterro da Essencis / Bárbara Esteche

Outro lado

A reportagem do Brasil de Fato Paraná tentou, por vários canais, locais e nacionais, contato com assessoria de imprensa do grupo Solvì. Até o fechamento da edição não conseguimos contato e fica aberto o espaço para resposta da empresa em relação às críticas da comunidade e da sociedade civil.

Fonte: BdF Paraná

Edição: Frédi Vasconcelos


Relacionadas

  • Ocupação Tiradentes 2 conquista canais de negociação com o poder público de Curitiba

  • Ocupação Tiradentes 2: uma última fronteira entre a vida, o lixo e o lucro

Outras notícias

  • Conheça as principais pautas das mulheres entregues ao governo do Paraná

  • Movimentos populares denunciam emergência humanitária um ano após greve geral na Colômbia

Todo o conteúdo de produção exclusiva e de autoria editorial do Brasil de Fato pode ser reproduzido, desde que não seja alterado e que os devidos créditos sejam dados.

Visitantes, por favor deixem um comentário::

© 2024.cc777sitemap